terça-feira, 8 de abril de 2008

À derradeira amante ( para Andrea, de Alma Welt )

Foi na grande cidade,
Andrea
que te encontrei
sem jamais ver-te,
que te quero ver.
Estás longe,
estás só como eu,
aqui no casarão
entre as minhas flores,
as árvores do meu pomar,
e a pradaria.

Minha macieira, meu bosque,
minhas crianças
adoradas, Andrea,
não mais logram
abrandar esta solidão
que é tua.

És a última, querida,
a saberes de mim
com intimidade e doçura,
com ardor também
e fome,
como nenhuma outra
jamais.

Dou-me a ti, toma-me, sou tua,
que te escolhi
(em princípio
nem eu mesma sei ao certo
o porquê...) e me amaste
poderosamente

Devora-me, guria,
virtualmente que seja,
para que eu viva
mais intensamente
que nunca!

Que eu me projete
na tua doce alma
como nestas árvores,
flores, campos
e mais perdure!

Que assim vivi neste meu pampa...



09/01/2006

3 comentários:

Massagem disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Massagem, I hope you enjoy. The address is http://massagem-brasil.blogspot.com. A hug.

Poesia! disse...

olá!
gosto muito de sua pagina e quero uma parceria com vc!
temos um blog de SARAU AMPLIFICADO!
e contamos com seu apoio!
divulgue sua pessoa em versos!

taniaperuch@gmail.com disse...

Que poemas lindos...
Parabéns pela tua iniciativa de divulgá-los, certamente o mundo precisa deles.